Odeio dizer isso para você, mas ”Butch” e ”Femme” também são ”gêneros”

por menstruakill

  Muito tem sido escrito sobre a dicotomia butch/femme* e se isso é incompatível (ou não) com a libertação das mulheres. Na verdade, muito tem sido escrito sobre a “Identidade Butch” e a “Identidade Femme”, inclusive por lésbicas como Dirt* e Bev Jo* que são muito críticas quanto a ”identidade de gênero” (transgeneridade). Bev Jo sugere que a “Identidade Butch” é a “verdadeira identidade da mulher” porque a mesma não atende ao olhar masculino, concluindo assim que Butches são de alguma forma mais oprimidas do que Femmes (que, presumivelmente, são Femmes porque querem atender ao olhar masculino).
Há uma falta de percepção, ao que me parece, entre estas ativistas críticas da ‘trans’generidade* de que Butch e Femme também são “gêneros”. E embora você possa chegar a uma conclusão diferente sobre os danos relativos ou benéficos de Butch e Femme como “beleza” ou práticas “culturais” de mulheres do que a conclusão que você chegaria sobre de um homem adulto de decidir que ele é uma ”lady” e tentar entrar em espaços exclusivos para mulheres (eu sei que eu faria isso), me parece um pouco desonesto não ver que Butch e Femme fazem parte da grande bola de bosta que chamamos de Gênero. Pelo menos dois aspectos neste debate podemos explorar. Em primeiro lugar, o realmente pessoal. Você é lésbica. Você se identifica como Butch (ou Femme). Você acha “a outra” sexualmente atraente e procura estar com ela.

Isso é incrível.

Aproveite.

Fico feliz por você.

 Eu não estou interessada em analisar as suas vontades neste texto. Isto é, o debate NÃO é sobre isso. Você pode querer fazer isto, mas suas atrações pessoais são suas. Aproveite!
Em segundo, e mais importante para este texto, a dinâmica “Butch/Femme” é algo que pode e deve ser analisado para além dos seus desejos pessoais. Ou seja, feministas radicas têm a obrigação de problematizar o que esses conceitos de Butch e Femme significam e representam na nossa cultura (assim como nós problematizamos práticas nocivas de beleza como o uso de maquiagem, depilação, saltos altos, roupas desconfortáveis, etc.)

Nós precisamos criticar imagens como esta:

images

(Esta imagem arruinou minha vida.)

  Como feministas, nós precisamos questionar frequentemente, e aqui estão alguns assuntos discutidos:

  Como o mundo percebe e trata você, e o que isso quer dizer sobre nossa sociedade e quem isso valoriza.

  Como as identidades Butch e Femme são dois lados da mesma moeda de uma classe/casta sexual que limita o potencial completo do que uma mulher pode ser.

  Como Butch and Femme funcionam (quase) do mesmo modo que o ‘gênero’ que nós criticamos quando criticamos a ideia de ‘trans’generidade.

  Não é muito diferente.

  Se você acha que é diferente, então como? Com que base? Porque você sabe qual é “o estado natural da Mulher”?

  Você tem uma máquina do tempo?

  Você pode me dar uma carona?

  O sempre citado Ariel Levy diz algo em “Female Chauvinist Pigs” que eu gosto de citar porque isso cabe no que conversamos quando falamos sobre (Trans)Gênero:
 

  ”Americanos desistiram da ideia-ou tentaram, ou fingiram- que há certas características e qualidades que são essencialmente de negros e essencialmente de brancos há muito tempo atrás. No mínimo nós podemos dizer que isso seria considerado descontroladamente ofensivo e completamente idiota articular ideias como essa agora. Mas de alguma forma nós não pensamos duas vezes antes de querer ser “como um homem” ou ao contrário de uma “garota feminina”. Como se essas ideias ainda significassem alguma coisa. Como qual homem? Iggy Pop? Nathan Lane? Jesse Jackson? Jesse Helms? Isso é uma maneira incrivelmente pouco sofisticada para pensar sobre ser um “ser humano”, mas as pessoas inteligentes fazem isso o tempo todo.

  Butch e Femme não são “especiais” ou imunes da critica porque fazem parte da cultura lésbica. De fato, pode-se argumentar que Butch/Femme pavimentaram o caminho para a ‘trans’generidade, com várias ”ex Butches” (Pat Califa, Leslie Feinberg) virando ‘trans’homens.

I used to be Butch. Now I am a man.                               (Eu costumava ser uma Butch. Agora eu sou um homem.)

  E a “opressão” que “Butches” passam não é mais válida, mais importante ou mais opressiva que a opressão que “Femmes” experimentam – isto está tudo enraizado na misoginia – mas ao invés de focar no problema (Patriarcado, Homens), algumas Mulheres em algumas comunidades Lésbicas decidem fazer com que Femmes sejam inimigas de Butches.

  Que lixo.

DOES THIS WISTERIA MAKE ME SEEM MORE FEMININE?(Essa Wisteria me faz parecer mais feminina?)

  Isso é política identitária!

  Hey, Butches, algumas vez lhes ocorreram que quando vocês são discriminadas é porque vocês são “visivelmente lésbicas” com base em estereótipos culturais do que uma “mulher” (ou seja, Mulher heterossexual) deve se parecer? Portanto não é na verdade a ”Opressão Butch” que você sofre – é misoginia. Alguma vez lhe ocorreu que mulheres heterossexuais ”gênero-inconformes” têm problemas semelhantes? ( aqui vai uma dica – elas tem).
E Butches, Femmes obtém um assédio maciço que, muitas vezes, nós não temos (eu não me identifico como Butch, mas me comparam com uma Butch o suficiente para eu achar que eu me incluo nisso, embora eu tenho certeza que alguns crentes ”True Butch” digam “oh ela não é uma Butch de verdade”, bela bosta.) Vejamos o assédio na rua, por exemplo. Eu tenho amigas “Femmes” que tem suas partes íntimas agarradas. Perguntaram se elas estavam “trabalhando”. Isto está enraizado em, mais uma vez, misoginia. É diferente do tipo de assédio na rua que eu sofro. (Me chamam de “sapatão”.)

  O ”privilégio femme” se configura em ”agradar o olhar masculino”?

  É “culpa delas”?

  Será que isso importa como somos assediadas na rua?

  É uma forma de assédio mais importante do que a outra?

  Você percebe que você soa como um ”transativista” * ?

  Até nos vermos todas como mulheres, todas vítimas como Mulheres da Grande bola de Merda que nós chamamos de Gênero (lembra do gênero? Uma ferramenta, uma estratégia intencional para garantir que as mulheres saibam o seu papel como incubadoras e prostitutas?), você está envolvida em decidir quem é ”a mais oprimida”.

  Butch como política de identidade! Assim como ‘transativistas’.

  Apenas parem.

  Não existe um “estado natural” da Mulher na cultura ocidental. Estamos todas fodidas psicologicamente pela nossa cultura. Cada uma de nós.

  Se pudermos entender isso, e, em seguida, dirigir o olhar para “a razão” pela qual estamos todas fodidas psicologicamente (OLÁ GÊNERO. OLÁ PATRIARCADO), talvez seja um começo.

  Ah, e tente ter um pouco de compaixão. Conheça mulheres de onde elas REALMENTE estão, não de onde você acha que eles deveriam estar.

[Butch/Femme são termos usados nas ”comunidades lesbianas”, sendo a ”Butch” a lésbica menos feminizada e a ”Femme” a mais feminizada]

[Dirt: http://dirtywhiteboi67.blogspot.com.br/]

[Bev Jo: http://bevjoradicallesbian.wordpress.com/]

[Ativistas críticas da ‘trans’generidade são aquelas que se preocupam em problematizar o conceito de ‘trans’generidade bem como as influências políticas na nossa cultura desse fenômeno. Alguns exemplos são: Cathy Brennan, Dirt, Bev Jo, Sheila Jeffreys, Elizabeth Hungerford..]

[”Transativistas” seriam ativistas que militam pelos direitos de pessoas ditas ‘trans’ e que defendem as políticas identitárias]

Original em: http://genderfatigue.com/2013/05/31/hate-to-break-it-to-you-but-butch-and-femme-is-also-gender/

Anúncios